quinta-feira, 19 de maio de 2011

Dicotomia

No principio a igreja receava dizer que cristo instituíra um modelo de vida ao qual cada um de nos poderia aspirar. Embora isso fosse exatamente o que estava nas escrituras. Receava que esta posição desse poder demais ao indivíduo. Então perpetuou-se, a contradição. Por um lado os clérigos instigavam os fieis a buscarem em si mesmo o reino de Deus, a intuírem a vontade de Deus e a se deixarem invadir pelo espírito santo. Mas por outro lado condenavam como blasfêmia toda e qualquer discussão que tentasse esclarecer como se chegar a esses estados. Muitas vezes recorrendo a assassinatos para manter seu poder.
Os criadores destas religiões intuíram que Deus era mais que um personagem. Era uma força, uma consciência que só poderia ser encontrada em sua plenitude quando se atingia o que eles descreviam como uma experiência de iluminação. Em vez de usar a vida de Cristo como exemplo a ser seguido por cada um, a igreja ou religião constituiu sua doutrina em torno de hierarquia poderosa dos clérigos que se impunham como mediadores, concessionários do Espírito Santo para o povo.
Por que cada religião, uma forma de oração? Se Deus é um só...
Por que temos que suplicar sua ajuda ou induzi-lo a fazer alguma coisa? Se tudo foi escrito e ele é onipotente, onisciente e  etc. Sabemos o que é pecado.
 O único cancro é o pecado original que “aos olhos da igreja” o mundo parece contaminado e corrompido desde o berço.
 Este complexo de culpa cria problemas de discernimento insolúveis. Se aceitarmos sem recalcitrância poderemos atrair indulgência?
A bíblia na contem um só pensamento religioso ou moral que já não estivesse contido de uma ou de outra forma, nas sagradas escrituras, tanto de religiões mais antigas como contemporâneas: Budismo, Hinduismo, Taoísmo.
Vele a pena lembrar que se Deus criou o mundo e todas as coisas que nele existe, criou também a varíola, a lepra e a peste. Se mandou seu filho com poderes para curá-las deveria também ter-lhe dado o poder de extinguí-las.
Se Jesus curou um paralítico, porque não erradicou a paralisia infantil? Se ele curou um leproso, porque não exterminou a hanseníase? Qual foi o tamanho dessa contribuição para as gerações subseqüentes? Sabin e Carlos Chagas contribuíram bem mais.
Nenhum Deus perfeito manteria tais incongruências . Qualquer criatura que lançasse intencionalmente tais horrores sobre o mundo seria reduzida a cinzas pelos seus crimes, e não adorada.
O que é assombrosamente perverso na evolução natural é que os próprios mecanismos que criaram a incrível beleza e a diversidade do mundo vivo são também aqueles que promoveram a monstruosidade bestial. A criança que nasce sem membros, sem cérebro, cega e as espécies desaparecidas não são mais do que mero barro moldado e destruído pela mãe natureza.
Jesus prometeu a ressurreição do corpo, não uma vida eterna como consciência desencarnada. A respeito disso, seus seguidores sempre desprezam a carne. Sua crença de que estão assinalados e separados do resto da criação por terem uma alma imortal levou-os a repudiar o destino que partilham com outros animais. Eles não precisam de um propósito na vida. Uma contradição em si mesmo. O animal humano não pode passar sem um.
Para aqueles que acreditam em Deus ou numa inteligência cósmica seria blasfêmia supor que o universo foi criado sem um propósito ou plano, que a raça humana foi posta em existência simplesmente para comer, beber e divertir-se com o extravagante desperdício de recursos da terra tanto minerais quanto orgânicos. Deve haver um motivo mais nobre pelo qual a inteligência foi conferida à humanidade. Se  é  que  foi Empinas o nariz por quê? Julgas-te superior ao quê? És um arremedo de vegetal, és socialmente inferior a uma formiga e menos inteligente do que uma abelha, para a natureza um cupim é mais importante que você. Tens orgulho do quê? Destape o rabo, solte o ar da arrogância e comece a ter noções de grandezas Somos macacos nus com a pretensão de criatura divina, que por isso temos o direito de exterminar outras espécies animais ou vegetais por conveniência, antipatia ou pelo simples fato de desejar uma bolsa com seu couro ou uma sopa com sua barbatana sem conhecer sua importância para o mesmo ambiente.
Céu e terra não tem atributos e não estabelecem desigualdades. Tratam as miríades de criaturas com indiferença.
Temo, respeito e suponho existir uma energia superior que pode ser chamada Deus. O resto tem que se mover e fazer sombra.
Já me arrependi de, na infância, ter sido crédulo. Havia-me deixado arrastar pela paixão da mente de minha avó materna. A credulidade.
Creio que nos tornamos naquilo que nossos pais nos ensinaram em tempos idos, quando não se preocupavam em educar-nos. Formamo-nos por descartes de sabedoria. Não é que não acredito em nada. Não acredito é em tudo. Creio numa coisa de cada vez, e numa segunda apenas se esta de certa maneira descende da primeira. Acredito em duas coisas que não estejam juntas com a idéia de que em alguma parte deve haver uma terceira oculta que as integram. 
Procedo de maneira míope, metódico e não arrisco horizontes. A incredulidade não exclui a curiosidade, corrobora-a. Deduzo que daí nasce a inteligência.