domingo, 30 de outubro de 2011

Por quê sou contra divisões

Há um plebiscito anunciado para o dia 11/12/ 2011 com a intenção de dividir o atual estado do Pará em três estados diferentes. O estado de Tapajós, com uma área de 718 mil km², 1,3 milhão de habitantes e um eleitorado com 795.978 votos. O estado de Carajás com uma área de 290 mil Km², 1,7 milhão de habitantes e um eleitorado com 959.938 votos. O atual estado do Pará ficaria com 232 mil Km², 4,6 milhões de habitantes e um eleitorado com 3.073.468 votos. Tenho alguns motivos para votar contra esta divisão.
Primeiro: Todos os estados que foram criados através de divisões continuam sobrevivendo de esmolas federais. Nenhum conseguiu sua auto-suficiência. Todos os países que foram divididos estão em crise, se não econômicas, políticas. Quanto ao crescimento, exceto o Japão que pagou caro por isso, todos os que cresceram são territorialmente extensos. Cientificamente só cresce somando ou multiplicando.
Segundo: O estado do Pará dividido não sobreviverá só com o parque industrial de Ananindeua e não lhe cabe o turismo. Não tem ruínas históricas, não tem vultos importantes nem belezas naturais exclusivas. Enfim; trabalhar com pobre é pedir esmola para dois.
O estado do Tapajós, se criado, terá como principal receita a energia gerada através de hidrelétrica e nascerá com um custo de 2,2 bilhões/ano gastando 51% disto com sua máquina pública. O estado de Carajás, se criado, nascerá recebendo 80% dos royalties de mineração arrecadados hoje no Pará. Contaria com um investimento, através das mineradoras, de 33 bilhões até 2015 e teria uma receita de 2,7 bilhões/ano com um custo de 2,9 bilhões/ano fora os gastos com implantação de infra estrutura. O governo federal desestimula a agropecuária na Amazônia determinando sua falência a médio prazo.
Terceiro: Com o caráter, a honestidade e a integridade moral de nossos políticos existentes, estamos pagando para ver novos marginais ocupando vagas municipais, estaduais e federais oferecidas por dois novos estados criados por nós. O estado de Carajás seria o estado mais rico da região, o mais violento e o mais corrupto. Além do mais, as duas regiões separatistas contam com 35% dos votos cadastrados e válidos. Se aprovarem a separação, configuram a primeira falcatrua.