terça-feira, 24 de abril de 2012

Anjos e Demonios


A  mente humana tem duas grandes doenças: a necessidade de vingança, que atravessa gerações e a tendência de catalogar as pessoas em grupos, em vez de considerá-las como indivíduos. Os que perdem a liberdade se juntam para vingar do opressor.
A religião de Abraão sancionou firmemente ambas as doenças misturando-as de modo explosivo. Não podemos deixar de relacionar a força divisória que a religião exerce sobre a grande maioria das inimizades violentas do mundo. A disputa, hostil, entre nossas religiões é totalmente estéril. Do ponto de vista da fé, de cada uma, é preferível imitar o comportamento dos antepassados do que encontrar maneiras de descobrir novas verdades no presente.
Existem outras fontes de irracionalidade para além da fé religiosa, mas nenhuma delas é louvada pela sua importância na formação das políticas públicas. Os juízes do Supremo Tribunal Federal não têm por hábito louvar a nação pela sua confiança na astrologia, ou pelo elevado número de discos voadores avistados por seus habitantes, ou por estes serem o exemplo concreto dos vários preconceitos de raciocínio que os psicólogos consideram endêmicos na nossa espécie. Só o dogmatismo religioso tem o apoio incondicional do governo. E, no entanto, a fé religiosa obscurece a incerteza onde a incerteza manifestadamente existe, permitindo que o desconhecido, o implausível e o manifestadamente falso tenham primazia sobre os fatos. O lugar das pessoas que mantêm convicções fortes sem fundamentos é às margens de nossa sociedade, não nos corredores do poder.
Consideremos o atual debate sobre a investigação de células estaminais de embriões humanos e o controle de natalidade numa super população faminta. Ontem eu assisti na TV a um filme baseado no livro “Anjos e Demônios” de autoria de Dan Brown, que é o mesmo autor de “Código Da Vince”, “Fortaleza Digital”, “Ponto de Impacto” e “O Símbolo Perdido”. Me lembrei que em todos os seus livros contém uma histórias mesclada de ficção, ciência e religião. Em “Anjos e Demônios”, Dan Brown faz referência ao maior estabelecimento de pesquisa científica do mundo, o “Conseil Européen pour la Recherche Nucléaire (CERN), situado na Suiça. Em 1999 o LHC (Grande colisor de Hadrons) conseguiu produzir as primeiras partículas de antimatéria que é a fonte de energia mais poderosa conhecida pelo homem. A antimatéria é extremamente instável e incendeia-se ao entrar em contato com qualquer coisa, inclusive o ar. Um único grama de antimatéria contém energia igual à de uma bomba de 20 quilotons. O tamanho da bomba que caiu sobre Hiroshima.
Faz referencias à evolução humana mesclando mistério, sociedades secretas, história da arte e religiosidades no afã de conciliar o científico com o epiritual. Deixando claro que fé e medo não se dão bem. Onde um estiver, o outro não estará. A religião é um dos grandes limitadores de identidade moral já que a maioria dos crentes se diferenciam, em termos morais, daqueles que não partilham de sua fé.
Meus anjos são; a razão, a honestidade e o amor. Meus diabinhos são; a ignorância, o ódio e a religiosidade que é a obra prima de Satã.