domingo, 23 de dezembro de 2012

Houve Holocausto?



Em 1900, a maior parte dos judeus viviam nas regiões central e leste da Europa, especialmente na Russia e no Império Austro-Húngaro sendo minoria até mesmo nestes lugares. Muitos se vestiam de maneira característica e seu dia de veneração era o sábado, não o domingo como a maioria. Em épocas de nacionalismos, eram diferentes e costumavam  considerarem a si próprios desta maneira. Os judeus contemporâneos descendem em sua maioria de povos convertidos, originário de diversos pontos do meio oeste e da Europa Oriental. .
   Na Europa não havia outra minoria étnica com tanto sucesso nas universidades, na música, na literatura, na ciência, na medicina, no direito e nos negócios. Na Alemanha, os judeus permaneceram como uma minoria bastante reduzida. Contavam menos de um milhão mas eram bastante atuantes na política nacional, serviram nas forças armadas durante a primeira guerra mundial e contribuíram para inúmeras outras boas causas.
    Em 1925 Hitler declarou seu ódio aos judeus em seu livro “Minha luta” e de 1932 a 1938, à medida que as políticas e os discursos do governo se tornavam cada vez mais anti-semita, a maioria dos judeus deixavam a Alemanha abandonando seus bens. Nesta época os decretos de Hitler contra os judeus já estavam na ordem do dia. De acordo com tais leis, os judeus não eram considerados cidadãos alemães e seus passaportes foram carimbados com a letra J. Não tinham permissão para se casarem com alemães e às vésperas da segunda guerra mundial não podiam ter automóveis, ir ao cinema nem tampouco a lugares de entretenimento público.
   Na Itália eles eram poucos, chegando a cerca de 55 mil, porém influentes nas universidades e em algumas profissões. Em novembro de 1938, Mussolini desautorizou que participassem do serviço militar impedindo que estudassem ou lecionassem nas universidades.
   A segunda guerra mundial e os manifestos raciais que a precederam, colocou os judeus em grande risco. Por volta de 1939, sua liberdade e seu patrimônio estavam expostos. Três anos mais tarde, em 1942, era sua existência que corria perigo. Durante a Segunda Guerra Mundial ambos os lados emitiram propaganda. Isto é normal e esperado. Também é de se esperar que muita da propaganda seja exagerada ou falsa.  Os Nazistas disseram um tipo de mentira, os Anglo-americanos publicaram outra e os Soviéticos outra. Quando a guerra acabou, naturalmente, a propaganda de guerra dos Nazistas foi desmentida, mas a propaganda do lado vencedor não. Chegaram ao espantoso numero de 6.000.000 de judeus mortos através de um programa de extermínio propositado, e só nas câmaras de gás de Auschwitz teriam sido assassinados 4.400.000. Os Nazistas eram anti-semitas, consideravam os judeus sub-humanos. Apoderaram de suas riquezas e expulsaram-nos, de uma maneira ou de outra, da Alemanha. Não há dúvida que milhares de prisioneiros morreram executados por maus tratos, doença ou fome quando os campos deixaram de receber comida. Neste rol estavam homossexuais, ciganos, negros, doentes mentais e até inválidos. Afinal, o holocausto existiu?
  Segundo os registros alemães, talvez os mais confiáveis, a população judaica na Alemanha e territórios ocupados em janeiro de 1942 era de 4.536.500 judeus. Depois da guerra foram pedidas reparações de guerra contra a Alemanha por 4.384.138 judeus.
De acordo ao Comitê Judáico Americano, a população judaica mundial era de 15.688.259 em 1937. O New York Times de 22 de fevereiro de 1948, publicou que a população judaica mundial era de 15.600.000 a 18.600.000, excluindo os 650.000 que viviam na Palestina.
Se a população judaica mundial  somava 15.688.259 em 1937, perdeu 6.000.000 durante a guerra e, 3(três) anos depois era de, no mínimo 16.200.000?   Houve holocausto?
Claro que houve holocausto! Uma guerra é sempre um holocausto e a Segunda Guerra Mundial foi a mais mortífera de todas. Foram 70 milhões de mortes relacionadas diretamente com a guerra e mais de 200milhões de vidas destruídas indiretamente com ela. Vários povos sofreram terrivelmente com a guerra e o povo que mais sofreu, sujeito a genocídio, guerra bacteriológica e a todo tipo de perseguição possível, foi o povo chinês. Mas fala-se em holocausto dos chineses?... Houve um julgamento de Nuremberg para os criminosos de guerra japoneses?
Houve o holocausto da população russa, ucraniana e polaca sujeita a uma política de despovoamento do Reich de Hitler. Houve o holocausto dos civis alemães, cerca de 10 milhões. Só em Hamburgo e Bremen foram mortos por duas campanhas de terror aéreo, mais civis do que em Hiroshima e Nagasaki numa operação assassina eufemisticamente chamada de deslocação de mão-de-obra pela Royal Air Force. Houve o holocausto dos comunistas, socialistas, sociais-democratas, pacifistas e ciganos por toda a Europa ocupada. Uma guerra é uma tragédia para todos mas o que parece é que dentre os envolvidos com a Segunda Grande Guerra, quem se saiu melhor foram os judeus. Segundo as estimativas publicadas, menos de um milhão de judeus morreram de uma população europeia de onze milhões contando com os cinco milhões de judeus russos.
Os judeus são tão vitimas quanto todos que se envolveram neste embuste. Enfrentam em Israel um estado despótico e militarista, e, como muitos, sofrem com a política belicista de seus governos. Os judeus tradicionalistas que tentam desmascarar o poder sionista em Israel são perseguidos e silenciados.
Graças ao embuste do holocausto, os sionistas recuperaram o controle total da bancada internacional, domina alguns governos, têm uma influência notória na política externa de alguns países, começando pelos EUA, e passaram a atacar diretamente a liberdade de expressão a nível mundial. Mais de três milhões de judeus continuam a receber reformas de guerra da Alemanha.

Fonte: Verdade Oculta.