sexta-feira, 13 de novembro de 2009

A idade da aposentadoria

Fazendo jus ao epíteto do eterno aprendizado e cansado de levar bordoadas, pondo a culpa nos governos, por não ser analfabeto, improdutivo, agitador, por não agir como malfeitor nem aceitar benefícios e pertencer a uma minoria contribuinte numa sociedade em que os criminosos hediondos são enaltecidos como celebridades, ladrões têm regalias de diplomata e a classe improdutiva é premiada. Vou me preparar para dar minha contribuição, como cidadão, ao meu país partindo da minha premissa que trabalhar e gerar impostos não é virtude. É prejuízo.
Acho que vai dar pois sou oriundo de famílias longevas.
Após o nascimento do meu neto, mesmo que seja por doação, vou fotografá-lo ainda no berço tendo como manta a bandeira do MST. Trocarei uma bicicleta usada ou um som 3 em 1 por um lote agrícola de 25 hectares em qualquer uma das invasões no meu município e receberei a transferência em seu nome. Caracterizando assim sua integração no movimento.
Guardarei todos os recibos, boletos, contracheques e outros afins referentes ao bolsa escola, família, cheque cidadão, auxílio gás, PRONAF e outros benefícios que, com certeza, virão.
Participarei ativamente por todo o seu crescimento lhe ensinando como gastar estas benesses de maneira diferenciada.
Na sua infância, seus aniversários serão comemorados em casas de recepção regados com suco de frutas exóticas, biscoitos dinamarqueses, chocolates suíços e seus amigos convidados serão os filhos dos abastados abestados que pagam impostos.
Durante sua adolescência fará viagens e vestirá roupas de griffe, gastando o dinheiro proveniente das vendas de arame farpado, carroça, ferramentas, motores e outras quinquilharias a que terá direito todos os anos, freqüentará escola pública até concluir o Ensino Fundamental.
Já na sua juventude, seus aniversários, despesas com restaurante e motéis, seus vinhos, wisky e queijos importados serão custeados com o dinheiro oriundo da venda dos bois adquiridos através do PRONAF que por direito também terá direito. Cursará a escola técnica federal e não terá que se matar de estudar, pois a reprovação é proibida.
Sendo de cor parda, que é a cor do Brasil, prestará vestibular como cotista e, com certeza estará apto para entrar pela porta dos fundos de qualquer Universidade Federal.
Se é para tomar a vaga de alguém, que seja na áreas mais valorizadas como medicina, odontologia ou direito.
Formado aos 25 anos e sem a preocupação de conseguir o primeiro emprego, poderá se dedicar a política com boas possibilidades de sucesso, pois estará acima da média dos já existentes.
Poderá, também, pleitear sua aposentadoria reclamando seus direitos, todos documentados como prova. Freqüentará a mesma sociedade de onde provém os benefícios recebidos sem ter que competir.
Ensinarei a ele que mesmo sendo um sem nada, não precisa matar ninguém, seqüestrar ninguém nem praticar vandalismo.
Este será o diferencial da minha contribuição. E ainda corro o risco de ter um neto presidente e formado... ou jubilado.
Com toda esta ajuda do governo se algo der errado, a culpa com certeza é de Deus. O Deus dos cristãos, não o meu.

5 comentários:

A arte de ter razão disse...

Senti um tom de revolta, ou foi impressão minha. (rs)

Altamirando Macedo disse...

Ricardo,talvez.
Estou cansado de ver a desonestidade, a indolência,a falta de caráter e a burrice serem premiadas tanto, que já elegemos por duas vezes consecutivas um representante delas para continuar promovendo-as. Ser do contra, também, é uma arte, mas sozinho não. De quando em vez, extravaso minhas insatisfações.
Obrigado pela observação.

Carlos Bayma disse...

Tem selo homenagem pra você.
Vá buscá-lo!
Carlos Bayma
http://osho-br.blogspot.com

CONVICTOS OU ALIENADOS? disse...

Seu blogue tem um selo de homenagem. Para resgatá-lo:

http://convictosoualienados.blogspot.com/2009/11/selo-de-homenagem-histo-e-historia.html

Abraços e parabéns!

Luiz Claudio Santos de Souza Lima disse...

Sim, é verdade e você está correto. POdemos ter uma "noção" através de pistas como as descritas pelo Dr. Bicas; mas conceitualmente é diferente da VB. Obrigado pela honrosa visita.

Seu desabafo reflete muito do sentimento que tenho sobre os governos.

Luiz