domingo, 26 de junho de 2011

A Sabedoria da natureza


Alguns ambientalistas pregam a conservação e a proteção ambiental. São vegetarianos, naturalistas, combatem o desperdício hídrico, florestal e a degradação ambiental. Tudo bem!  Mas até agora, nenhum deles apresentou solução viável para harmonizar o crescimento populacional com a preservação ambiental. Ou neutralizar este crescimento para preservar o que sobra do ambiente. Járed Diamond em seu livro ARMAS, GERMES E AÇO, mostra como isto evoluiu e em seu livro COLÁPSO, mostra como será o desfecho. Também não deu solução.
Somos 7 bilhões de pessoas para comer, beber e sobreviver às custas da natureza em detrimento a sua conservação. Como vamos produzir alimentos sem degradação ambiental e como vamos extinguir a fome no mundo?  A água não é um produto natural renovável, como vamos gerenciar este provento? Imitando a sábia natureza?  Ela nos ensina  como preservar até a nossa espécie. Como exemplo:...
O Gavião Real, (Harpia Harpyja) é uma imponente ave de rapina que habita as grandes florestas da América do Sul e Central. Apesar de ser de grande porte e não possuir predador natural, sua sobrevivência é muito frágil em seu habitat. A fêmea deposita no ninho, de 1 a 2 ovos e caso ambos sejam incubados com sucesso em condições naturais, somente o primogênito sobrevive. Já que o filhote maior (primogênito) invariavelmente mata o filhote menor empurrando-o do ninho por ser mais fraco. Dá-se a isto o nome de Cainismo e é comum a outras espécies de animais. É a lei da sobrevivência ou seleção natural.
Por quê não aprendemos com a sabedoria milenar da natureza? Por quê não erradicamos a miséria em sua formação infertilizando o pária?  Por quê não adotamos a pena de morte para extirpar da sociedade aqueles que não se adéquam a ela?  Prender é uma solução social mas para a natureza este preso parasita continua causando desperdício. Por quê não eliminamos os improdutivos ao invés de sustentá-los? Será que o índio tem maior sabedoria que nós?
Se não agirmos rápido para solucionar a comunhão da nossa existência com a natureza, ela se incumbirá em fazê-lo, se é que já não começou. Gays e lésbicas não se reproduzem, são híbridos. Pensem nisto...

7 comentários:

Levi Bronzeado disse...

O “Cainismo” faz parte da psique humana. Cada um de nós carrega o instinto de Caim. Temos dentro de nós um lobo que não descansa e não quer ser incomodado. Para esse lobo não interessa se o carneiro fornece a lã, o que interessa é a sua sobrevivência.

Taí, Miranda, esse seria um texto que iria render muitos comentários lá na C.P.F.G. (rsrs)

Altamirando Macedo disse...

Caro Levi,

Não sei se este seria um bom tema por ser muito radical mesmo não sendo ofensivo. Vamos ver, talvêz eu poste quando da minha vez.

Guiomar Barba disse...

Mirandinha, que tal matar os que sugam de nós até a última gota porque se dizem dirigir o país? E tantas outras feras que exploram o menos favorecido?

Beijo amigão. Você não me visitou nunca kkkkkkkkkkkkk

Altamirando Macedo disse...

Pois é Guiomar,

Mataremos aqueles que envia nosso nome para o CERASA (spc) pelo não pagamento do dízimo. He, he, he...

Mariani Lima disse...

Oi, Altamirando. Tudo bem?
O texto é forte para os sensíveis rs...
Isso tudo seria um modelo perfeito de preservação se fossemos feras apenas, mas por alguma razão essa sábia natureza nos permitiu evoluir com sentimentos que nos diferem de outros animais. Somos solidários, sentimos empatia e amor até pelos párias e não é por que somos bonzinhos é que por alguma razão inexplicável às vezes párias e híbridos nascem em nossas casas.
Mais uma vez a sábia natureza escrevendo certo por linhas tortas.

Um abraço!

Altamirando Macedo disse...

É Mariani,

"Somos solidários, sentimos empatia e amor até pelos párias e não é por que somos bonzinhos é que por alguma razão inexplicável às vezes párias e híbridos nascem em nossas casas."
A humanidade demorou 50.000 anos para atingir 1 bilhão de pessoas em 1800. Dobrou em dois séculos atingindo os 2 bi, mas em 1960 já eramos 3 bi e chegamos aos 7 em 2011. De acordo a estatisticas seremos 9.5 bilhões de slmas em 2050.
Quando dizem que o petóleo vai acabar, que a madeira vai acabar, não me preocupo pois o homem encontra alternativas. Mas a produção dos serviços que a natureza oferece não funciona assim. O clima, a biodiversidade, e os recursos hídricos que estamos degradando de maneira insustentável, o planeta não tem condições de repor. Mas nós continuamos lotando presídios, parindo e pedindo a Deus para tomar conta. O Deus da natureza não é o mesmo porquê ela, a natureza, não perdôa ela vinga com crueldade.

Altamirando Macedo disse...

Edu, meu caro.

O nome do cabra é, Luiz Carlos Molion da Universidade Federal de Alagoas. Ele afirma que a raça humana só é responsável por 3% das emissões de carbono na atmosfera e tenho notícia de alguns depoimentos seus.. Em parte eu concordo com ele quanto ao aquecimento global. Afinal, o nordeste nada sofrerá com um ou dois graus a mais de aquecimento. O que é um peido para quem já está cagado?
No texto, não me refiro a emissão de carbono como o grande e único culpado pelo colápso anunciado. Me refiro ao esgotamento dos recursos naturais, a desertificação e a extinção da biodiversidade por culpa da super população humana. O aquecimento pode ser maléfico para algumas regiões como as inter tropicais, mas poderá ser benéfico para regiões próximas dos polos. Hoje terras áridas podem se tornarem agricultáveis com o aquecimento de um ou dois graus no clima.

Edu, não é reduzindo o consumo de carne vermelha que você faz a sua parte. Para a natureza uma vaca a mais ou uma vaca a menos não faz diferênça. Quer fazer mais? Não dê esmolas. Seja a favor do controle de nstalidade, da eutanázia, do suicídio coletivo e da pena de morte. É cruel, mas e daí?
Você vai deixar que acabem com o habitat do seu neto porquê existe fome na África por reproduzirem como ratos? Porquê nossa sociedade financiou a reprodução de párias para superlotar presídios com improdutivos? Você tem culpa por viver num país que come como pinto e caga como pato? O Deus da natureza não é o mesmo de quem a destrói. Ela não perdôa, vinga com crueldade.