sábado, 27 de fevereiro de 2010

Os 10 mandamentos da auto destruição


Extraí estas citações do sumário do livro “As 48 leis do poder” de Robert Greene, editado pela Rocco com orientação para administração e negócio ao invés de autodestruição. Não li, nem aconselho ninguém a fazê-lo. Gaste seu dinheiro com algo proveitoso, mas se quiser arriscar esqueça tudo o lhe foi ensinado por seus pais e sua crença e bom proveito.

Selecionei 10 mandamentos que estão na seqüencia para você se tornar, com certeza, um:

1.Pária

2.Solitário

3.Mau caráter

4.Preconceituoso

5.Egoísta

6.Dissimulado

7.Tirano

8.Idiota

9.Hipócrita

10.Asno

São eles:

1. “Não ofusque o brilho do seu mestre”.

-Faça sempre com que as pessoas acima de você se sintam, confortavelmente, superiores. Não exagere seus próprios talentos. Faça com que seus mestres pareçam mais brilhantes do que são na realidade.

2. “Não confie demais nos amigos. Aprenda a usar os inimigos”.

-Cautela com os amigos, eles o trairão mais rapidamente pois são com mais facilidade levados a invejá-lo. Contrate um inimigo e ele será mais fiel que um amigo por ter mais a provar. Se você não possui inimigos, descubra um jeito de tê-los.

3. “Faça os outros trabalharem para você, mas sempre fique com o crédito”.

-Use a sabedoria, o conhecimento e o esforço físico dos outros em causa própria. Isto lhe ajuda a economizar tempo e dará uma aura divina de eficiência. No final seus ajudantes serão esquecidos e você será lembrado. Não faça você mesmo, o que outros possam fazer por você.

4. “Contágio. Evite o infeliz azarado”.

-A miséria alheia pode matar você. Estados emocionais são tão contagiantes quanto às doenças. Quando você ajuda um infeliz que se afoga, pode estar precipitando seu próprio desastre. Eles, às vezes, provocam sua própria infelicidade. Associe-se aos felizes e afortunados.

5. “Aprenda a manter as pessoas dependentes de você”.

-Faça com que as pessoas dependam de você para serem felizes e prósperas. Não lhes ensine o bastante a ponto de poderem se virar sem você.

6. “Ao pedir ajuda, apele para o egoísmo das pessoas, jamais para sua misericórdia ou gratidão”.

-Se precisar pedir ajuda a um aliado, não se preocupe em lembrar a ele sua assistência ou boas ações no passado. Ele irá ignorar. Revele algo em sua solicitação ou aliança que o beneficiará e exagere na ênfase. Ele reagirá entusiasmado se notar que pode lucrar com isto.

7. “Mantenha os outros em estado latente de terror, cultive uma atmosfera de imprevisibilidade”.

-Os homens são criaturas de hábitos com uma necessidade insaciável de ver familiaridade nos atos alheios. A sua previsibilidade lhes dará um senso de controle. Seja deliberadamente imprevisível, o comportamento que parece incoerente ou absurdo os manterá desorientados e eles vão ficar exaustos tentando explicar seus movimentos. Levada ao extremo, esta estratégia pode intimidar e aterrorizar.

8. “Faça-se de otário para pegar os otários. Pareça mais bobo do que o normal”.

-Ninguém gosta de se sentir mais idiota do que o outro. O truque, portanto, é fazer com que sua vítima se sinta esperta ou, mais esperta do que você. Uma vez convencida disto, ela jamais desconfiará que você possa ter segundas intenções.

9. “Evite manter uma forma definida.”

-Ao assumir uma forma você tem um plano definido e se expõe ao ataque. Mantenha-se maleável e em movimento. Aceite o fato de que nada é certo e nenhuma lei é fixa. A melhor maneira de se proteger é ser tão fluído e amorfo como a água. Não aposte na estabilidade ou na ordem permanente. Tudo muda.

10. “Evite seguir as pegadas de um grande homem”.

-O que acontece primeiro parece melhor e mais original do que o que vem depois. Se você substituir um grande homem ou um pai famoso, terá de fazer o dobro do que eles fizeram para brilhar mais do que eles. Não fique perdido na sombra deles ou preso a um passado que não foi obra sua. Estabeleça o seu próprio nome e identidade mudando de curso. Mate o pai dominador, menospreze seu legado e conquiste o poder com sua própria luz.

6 comentários:

Marcelus Mello disse...

Caro Altamirando;
É uma ótica. Um ponto de vista. Uma de várias maneiras de se interpretar um texto, uma literatura, seja ela um clássico ou um simples manual de auto-ajuda.
O mais impressionante da leitura é que realmente ela pode nos dar diversas conotações a partir da interpretação que é dada. E digo mais, uma simples frase se mal interpretada é capaz de causar um grande estrago.
Tenho certeza que entre as diversas histórias que fazem parte do livro citado, você achará pelo menos uma que traga alguma associação com a sua história de vida até aqui, e ponto!
Torna-se uma literatura um tanto “perigosa” quando o suposto leitor quer fazer dela um manual de vida ou espécie de doutrina.
Respeito, porém sou um admirador de literaturas autobiográficas ou com alguma sustentação científica, pois são calcadas em erros e acertos, portanto com alguma sustentação. Entendo a auto-ajuda ser uma literatura, muitas vezes, de cunho meramente comercial. Em sua maioria, o manual de vida que está sendo proposto é meramente ficcional ou de caráter pessoal, portanto avesso a realidade vivida por muitos de nós. Podemos observar que muitas vezes o proposto, se quer é colocado em prática pelo próprio escritor ou “aventureiro”, ou psicólogo de plantão. Nada contra a psicologia, mas faço uma associação, onde já vi muitos psicólogos com suas vidas de cabeça para baixo, dando as mais diversas orientações a pacientes que buscam em tal profissional, respostas para seus dilemas pessoais.
Portanto amigo, entendo a leitura como sendo algo fantástico, capaz de levar-nos a uma viagem sem limites, porém demasiadamente perigosa nas mãos de pessoas fanáticas, desprovidas de algum tipo de discernimento ou que fazem dela um instrumento para serem aceitos.

Altamirando Macedo disse...

Obrigado Marcelus Melo, tanto pela visita quanto pelo comentário.
É só minha ótica, meu ponto de vista. Pelo prefácio eu o classifiquei como um manual de mau comportamento.Não o considero auto ajuda e seus ensinamentos são extremamente radicais e destrutivos.Você tem razão quando afirma que nele contém alguma estória condizente com minha vivência ( até na Bíblia tem) apesar de ser uma literatura perigosa.Perigosa para leitores fundamentalistas ou intelectuais de um livro só. Seguimos uma linha de conduta que aprendemos com nossos pais, na escola e através de livros mas alguns ensinamentos vão de encontro a estes princípios.Eu não gostaria de ter um supervisor que praticasse estes mandamentos.Este livro não seria uma boa Bíblia.
Abraços.

Anônimo disse...

Um novo estudo revela dados que alertam para efeitos negativos dos livros de auto-ajuda.

Especificamente, o estudo em questão demonstrou que os leitores de livros de auto-ajuda com elevadas tendências ruminativas apresentavam mais sintomas depressivos de forma geral, após o período de estudo dos referidos manuais.

Desta forma, parece ser que pelo menos para as pessoas com elevadas tendências ruminativas os livros de auto-ajuda podem ser mais prejudiciais do que benéficos.

Link para o artigo científico: “When self-help is no help: Traditional cognitive skills training does not prevent depressive symptoms in people who ruminate“.

Marcio Alves disse...

Amigo Altamirando Macedo

Embora eu acredito que todo o livro vale a pena ser lido, este por exemplo é para ser lido e aplicado ao contrário, ou seja, ler e fazer justamente o oposto do que ele diz para si fazer.

Embora não tenha lido ainda o referido livro, mas pelo pouco que você descreveu, sendo imparcial, e partindo do que você destacou nesses 10 pontos, eu achei honestamente falando um tanto como realmente prejudicial, tanto para a pessoa em si, como para quem se relaciona com tais pessoas.

O grande segredo de se viver é o equilíbrio, nem tando mal, nem tanto bonzinho, mas o que deu para perceber neste livro é que ele vai ao extremo do egoismo, sendo nocivo para sociedade.

Abraços e obrigado pela dica.

Edleuza disse...

O livro me chamou a atenção. O intrigante é que deu para enxergar situações e pessoas reais com as quais convivo. Caramba, fiquei curiosa. Valeu a dica.

Altamirando Macedo disse...

He,he,he... Esta foi boa! "Pessoas com elevada tendência ruminativa são as mais prejudicadas"
Marcio Alves, não temos, necessariamente,de ler um livro na íntegra para sabermos a que ele se destina nem qual seu conteúdo.Porisso não leio Paulo Coêlho nem Jô Soares.
A todos, obrigado pela visita e ¨Feliz Aniversário¨ do Papai Noel.